Paulino fechou um dos bicos, deu volta à chave mulheres solteiras de caracas procurando homens de hoje da porta, encostou as venezianas e, voltando-se para Corina, que se havia sentado, fatigada, numa cadeira, exclamou: Pronto.
Vou tocar - e Santinha, pegando da maçaneta, puxou-a com força.
Tu, que a amavas, não soubeste corrigir os males dessa educação.Se Corina o amasse e o seguisse com cega obediência, ele a arrebataria ao marido à vista de mulheres procuram namoro em monterrey toda a sociedade, francamente, audazmente, arrostando todas as conseqüências do seu ato, cuja infâmia o amor explicaria, se não justificasse.Se alguém os visse, se alguém os surpreendesse?O sangue, ao primeiro golpe no pescoço, esguichou farto sobre os lençóis, sobre o corpo inerte de Corina; depois, parou de correr, quando os golpes se multiplicaram.Mas venha o conselho - volveu Corina, impaciente.Surpreendia-a a visita da amiga.Passam-se agora de seis a oito dias que a não vejo nem sei notícias dela.A verdadeira causa deste ato que a imprensa e o público hão de qualificar, como habitualmente, de ato de desespero ou de loucura, vou dizê-la nesta carta somente.Quando ele entrou, as dez horas, já ela dormia profundamente, calma e risonha como um anjo.Nesse momento sentiu a caipirinha rolarem-lhe no seio moreno, por dentro do cabeção de crivo da camisa, duas lágrimas quentes, grossas, vagarosas - e que não caíram dos olhos dela.Bem vês: castigá-la, fazê-la pagar culpas alheias, procuro casal encarnacao paraguai tuas e minhas, é mais que injustiça: é crueldade, é um novo crime.Era disso que vivias!Perdoa-me, meu bom, meu excelente Julião.É aqui o seu atelier.Seu crime fora ter matado uma prostituta de alto bordo, em cuja casa pernoitara, com uma punhalada no coração, quando ela dormia; punhalada que fez seguir de mais 12 em vários pontos do corpo da desgraçada: no baixo ventre, nos seios, nas coxas.Este é um dos quartos; o outro é aqui ao lado e comunica com este por aquela portinha.Eu fiquei morando com mamãe e ajudando ela.E ensinavas-lhe bandalheiras, mistérios de bordel!Havia ido à casa de dona Miquelina, não para encontrar-se com o barão ou com outro amante, mas com Santinha, que devia lá ir naquele dia e não foi, faltando ao encontro marcado ao poeta, e como era extraordinário isso, esperou pela amiga alguns minutos.Tudo o irritava, tudo lhe bulia com os nervos.Corina, com os seus hábitos de coquetismo e de asseio, havia arrumado e levado numa malinha de couro da Rússia e fechos de níquel um necessário de toalete e alguns arranjos para a noite.
Fazia-a despir-se como uma fêmea reles, e, à luz do gás, de charuto à boca à frescata, gozavas do espetáculo da sua nudez!

E Paulino, que apenas despira o paletó, revestia-o lentamente, contemplando sempre a infeliz e cismando, comovido, na sua sorte.
A causa desse esfriamento de relações tão intimas - causa inconfessada, antes dissimulada cuidadosamente - era o doutor Paulino.


[L_RANDNUM-10-999]